Histórico


A história de uma organização não deve restringir-se à pura menção de atos e citação de datas, insuficientes para contextualizá-la numa época ou para comunicar a magnitude de sua ação.

Com base nesse pressuposto, este site traça a vida da ADEMP a partir do resgate da história das AD's, no âmbito nacional e no cenário regional; mantendo a cronologia obtida de fontes confiáveis e a máxima isenção possível na emissão de conceitos e na alusão a fatos recentes, ainda não devidamente depurados pela tempo.

Bandeira da ADEMP

Precedentes, existência informal e constituição legal


A Assembléia de Deus - Ministério da Plenitude (ADEMP), fundada em 02/02/02 e registrada em 20/02/02, teve como base para sua estruturação oito (8) famílias que contribuíram com cerca de 80% dos fundadores; dos quais foram eleitos os membros da primeira Diretoria e composto o primeiro Ministério da Igreja.

 

1 - Precedentes da AD - Ministério da Plenitude

Em dezembro de 2001, na Congregação Pólo do Setor XVI - Cidade Satélite, um dos mais belos templos e uma das mais sofridas congregações da AD em Natal, o anúncio da substituição prematura do seu líder, Pr. José Gilson de Oliveira, gerou grande insatisfação entre os membros. Na impossibilidade de serem ouvidos nas importantes decisões da congregação, algumas famílias decidiram migrar para outras denominações na esperança de serem atores de sua própria história, mormente da educação e formação religiosa de seus filhos.

Como alternativa a essa decisão, havia a constituição de uma nova organização religiosa, com um governo mais próximo do modelo participativo da igreja cristã primitiva. Convidado para liderar esse processo, o Pr. Gilson orientou essas famílias a permaneceram na congregação da Rua Gameleira, aguardando a sucessão dos fatos. Mensagens de apoio e estímulo foram dadas ao pastor, através de diversos canais. Entre esses, uma pessoa alheia ao ambiente evangélico - a professora Leonor A. B. Oliveira, cunhada do pastor - que transmitir-lhe um pensamento recebido em sonho, no dia 5 de janeiro: "O líder que não assume a liderança corre o risco de ser liderado por alguém que não é um verdadeiro líder".

Em 08 de janeiro de 2002, o Pr. Gilson Oliveira devolveu o cargo que ocupava no Setor XVI da IEADERN. Três dias após, na noite do dia 11, estando na praia de Jacumã onde buscara repouso e orientações do Senhor, foi visitado por 17 irmãos, que se deslocaram mais de 40 km para ouvi-lo. Após uma improvisada e singela celebração da Ceia do Senhor, na qual manifestou-se fortemente a presença do Espírito Santo, o pastor dirigiu uma palavra de exortação e conscientização quanto às dificuldades que o grupo enfrentaria para desvincular-se da Igreja, em busca de identidade própria. Disse aos presentes que, apesar de ser obreiro na IEADERN, há 29 anos, não se omitiria em liderá-los nessa empreitada; porém, gostaria que todos refletissem sobre o assunto, até um próximo encontro.

Na noite do dia 16, numa dependência do CEFET-RN, houve uma segunda reunião, ao final da qual 24 pessoas confirmaram a intenção de constituir uma nova organização eclesiástica. Um próximo encontro foi marcado para o dia 21, na residência do casal Daniel e Edilma Nascimento, com o duplo propósito de cultuar ao Senhor e definir os rumos a serem dados a esse projeto.

 

2 - Período de existência informal da ADEMP

A partir do dia 21 de janeiro, a igreja embrionária passou a reunir-se na residência da Família Nascimento, na Rua Rio Juruá, n.º 7738, em Cidade Satélite. Dessa fase oficiosa da vida da Igreja, vale registro a realização do primeiro culto, na segunda-feira, 21/jan., no qual foram cantados os hinos 375, 394 e 01, da HC; e lido o texto bíblico de Ef 3.14-21, onde o Pr. Gilson explanou a Palavra com foco no verso 19-b: "para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus". Esse versículo, provavelmente, definiu o nome da nova igreja - escolhido em voto secreto pelos presentes - e veio a tornar-se o texto áureo da Igreja. A oferta alçada nessa noite foi de R$ 1.206,50 (um mil duzentos e seis reais e cinqüenta centavos), algo equivalente a um salário mínimo por família presente.

Do segundo culto, realizado no dia 24, merecem destaque os depoimentos sobre revelações obtidas por duas irmãs, ainda na Congregação da Rua Gameleira. Numa delas, o pastor Gilson fora visto em um lugar deserto, em atitude de reflexão, sendo-lhe transmitida uma determinação para "fazer aquilo que tinha que ser feito, já há algum tempo". Numa outra, testemunhada pela irmã Dorinha Alves, fora visto um grande mar atrás do templo da Gameleira; repentinamente, o céu se escurecia e levantavam-se grandes ondas que avançavam sobre o templo, enquanto se ouvia uma voz alertando os presentes que saíssem para não serem submergidos.

Nesse ínterim, por ocasião da 18ª Convenção Estadual de Ministros da IEADERN, realizada de 21 a 25 de janeiro, as principais lideranças evangélicas do RN tomaram conhecimento do projeto de constituição da ADEMP.

No culto dominical do dia 27 de janeiro, deu-se a primeira conversão de uma pessoa na nova igreja, o jovem universitário Tiago Halley Vieira Nogueira. Nesse dia, a freqüência à Escola Dominical foi de 26 adultos e 8 crianças; e o Culto teve uma participação total de 41 pessoas.

Em 28 de janeiro, o Pr. Gilson Oliveira formalizou junto à Presidência da Convenção Estadual um Requerimento para que fosse ouvido pela Mesa da Convenção, objetivando: 1) a autorização da Convenção para que pudesse presidir a nova entidade religiosa; 2) a filiação dessa igreja à CEMADERN, nos termos do § 4º do Art. 1º do Estatuto da IEADERN (somente em 5 de fevereiro, data na qual completou 35 anos na IEADERN, o Pr. Gilson Oliveira foi recebido e ouvido pela Mesa da Convenção, saindo da reunião convicto do indeferimento do seu pleito. Impedido de manter vínculo convencional com a CEMADERN, ingressou com o seu pedido de desligamento da IEADERN e da Convenção, em 14 de fevereiro de 2002).

O último culto da "igreja informal" deu-se no dia 30 de janeiro, com a presença de 32 pessoas. Nessa noite, o pastor ministrou a palavra com base em At 1.5.

A Assembléia Fundacional, convocada para o dia 02 de fevereiro, marcaria o início da existência oficial da ADEMP. A bênção do Senhor estava com mais essa porção da Sua Igreja, conforme viria a se confirmar nos dias subseqüentes!

Precedentes e síntese histórica


A gênese das AD's no Brasil está no grande  reavivamento havido no mundo cristão, por volta de 1900.
Muitos crentes foram cheios do Espírito Santo, da mesma forma que os discípulos de Jesus,
na festa judaica do Pentecoste (Atos 2); falavam em línguas, ao receberam o batismo no Espírito Santo; 
além de experimentarem outras manifestações sobrenaturais como a profecia, 
a interpretação de línguas, as curas divinas e as operações de maravilhas.

 

1 - Precedentes das Assembléias de Deus no Brasil

No início do século XX - em que pese o trabalho desenvolvido por igrejas evangélicas tradicionais e imigrantes protestante -, o Brasil era um país quase que totalmente católico romano. Em 19 de novembro de 1910, Gunnar Vingren e Daniel Berg chegaram a Belém/PA proclamando o Evangelho de Jesus Cristo e a atualidade do batismo e dos dons do Espírito Santo. Tinha início o maior fenômeno sociológico do século, na América Latina, que traçaria um novo perfil religioso do Brasil.

Na madrugada do dia 18 de junho de 1911, a irmã Celina de Albuquerque experimentou o reavivamento e tornou-se a primeira brasileira batizada no Espírito Santo. Seguiram-se outros batismo, o que incomodou as igrejas então existentes - Batista, Presbiteriana, Anglicana e Metodista. Em conseqüência, os dois missionários e dezenove outros irmãos foram expulsos da Igreja Batista que os abrigara.

Em 18 de junho de 1911, Vingren e Berg fundaram a "Missão de Fé Apostólica", embrião das AD's. Em 11 de janeiro de 1918, a nova igreja era oficialmente registrada com o nome "Assembléia de Deus".

Em poucas décadas, a fé pentecostal alcançou vilas e cidades distantes, até chegar aos centros urbanos mais avançados. Do norte, migrou para o nordeste do País, chegando ao Rio Grande do Norte pela ação de um lavrador paraense chamado Joaquim Batista de Macedo.

 

2 - Precedentes das Assembléias de Deus no RN

Em 1916, chegaram a Natal alguns norte-riograndenses recém convertidos à fé pentecostal, vindos do Pará; entre eles, o casal Antônio Felipe e Luizinha Bezerra, e Francisco César (ex-presbiteriano batizado no Espírito Santo), todos ansiosos por evangelizar a parentela. No ano seguinte, numa reunião de oração na residência do casal, receberam a nova fé José Domingos da Costa (primeiro crente batizado no Espírito Santo, no RN), Pedro Jacinto e sua esposa.

Em 13 de janeiro de 1918, na casa de Luiz de França (Soldado Lulu), na Rua do Arame, foi realizado o primeiro culto pentecostal em Natal, sob a liderança de Francisco César. Da liturgia constaram hinos, leitura de Ap 21.21-27 e testemunhos. Na ocasião, converteram-se 6 pessoas, entre as quais o casal anfitrião. Nessa residência, reuniu-se um pequeno grupo de 10 irmãos, até a instalação da primeira congregação oficial da AD em Natal, em 1919.

Em abril de 1918, Vingren e Berg enviaram a Natal um evangelista eloqüente e versado nas Escrituras, chamado Adriano Nobre. Foi ele quem realizou o batismo em águas dos primeiros 6 crentes, junto à ponte de Igapó, nas margens do Rio Potengi, em 15 de abril de 1918; dois dias após, batizava mais duas irmãs; e, poucos dias depois, fazia um terceiro batismo, num sítio por nome "Sumaré", em Goianinha. Segundo a tradição oral, Adriano Nobre foi o primeiro pastor da Assembléia de Deus no RN (o livro "História da Assembléia de Deus no Brasil" confere essa primazia a José Morais, enviado pela Igreja em Belém/PA, em 1919).

Com José Paulino Estumano de Morais, o local de cultos foi mudado para o n.º 963 da Rua América (atual Tte. Alberto Gomes), esquina com a Rua do Arame (atual Manoel Vitorino), atrás do Cemitério do Alecrim (endereço da primeira Congregação da AD, em Natal). Na noite de 28 de junho de 1920, ao passar por Natal em viagem para o Rio de Janeiro, Gunnar Vingren encontrou uma igreja com 23 membros, 8 dos quais batizados no Espírito Santo.

O Pr. Morais teve que regressar a Belém, sendo substituído por Josino Galvão de Lima, que pastoreou a Igreja até o início de 1922.

Em março de 1922, assumiu o pastorado da AD em Natal o irmão Manoel Hygino de Souza (Manequinho), natural de Nova Cruz/RN, que permaneceu no cargo até dezembro de 1923. A igreja tinha cerca de 40 membros e congregados. Com ele, a congregação mudou da antiga Rua América para um chalé adaptado, na Rua Amaro Barreto n.º 40. Segundo depoimentos orais, o terreno foi adquirido por 3.500 contos de réis, emprestados pelo Missionário Samuel Nyström, em visita à Cidade com o Missionário Nels Julius Nelson. Há quem afirme que, para completar o valor pago pelo chalé, foi necessário um outro empréstimo, no valor de 500 mil réis, tomado ao Missionário Joel Carlson, então responsável pela AD em Recife/PE e supervisor da área do Rio Grande do Norte. Nos fundos do terreno ficava uma choupana de taipa, utilizada como casa pastoral.

No início de 1924, Manoel Hygino retornou a Belém, sendo designado para pastorear a AD em Manaus/AM.

Findo o ministério em Manaus, Hygino foi designado para organizar a AD em Mossoró/RN, onde instalou uma congregação à Rua Marechal Deodoro, no bairro de Paredões; edificou e inaugurou o primeiro templo mossoroense da AD, na tarde de 30 de maio de 1930. Coube-lhe secretariar a Mesa Diretora da 1ª Convenção Geral das AD no Brasil, em Natal, em 1930. Em 1934, a mesma CG, reunida em Recife/PE, desligou-o do Ministério das AD's no Brasil, por não haver comparecido para retratar-se de uma acusação. Manequinho, com alguns crentes, deixou Mossoró e fundou a Assembléia de Cristo (posteriormente, nominada "Igreja de Cristo"), sendo esta a primeira grande cisão assembleiana no RN.


Em 1948, por questões pessoais, Manoel Hygino deixou o Ministério dessa igreja, só vindo a reconciliar-se no leito de enfermidade, próximo da sua morte, em Natal, em 05 de fevereiro de 1975, aos 72 anos de idade, poucos dias após a morte de sua esposa.

Bruno Skolimowsky, missionário polonês, sucedeu a Manoel Hygino, em Natal. Em sua gestão, o modesto templo da Rua Amaro Barreto, n.º 40 foi ampliado e reinaugurado, em 13 de janeiro de 1924. O ministério do Pr. Skolimowsky estendeu-se até o ano de 1926.

Francisco Gonzaga da Silva, foi o primeiro pastor a ter um longo ministério frente à AD no RN. Coube-lhe, ao longo de 11 anos, um momento significativo na vida igreja, a 1ª Convenção Geral das AD no Brasil, dos dias 5 a 10 de setembro de 1930. Presentes, 18 pastores e missionários, entre os quais: Pr. Lewi Pethrus (Estocolmo), Vingren, Berg e outros missionários suecos, além dos principais líderes nacionais. O site da CGADB, assim registra esse evento:

"Foi em 1930 que se realizou a primeira Assembléia Convencional. A Igreja hospedeira foi a Assembléia de Deus em Natal, RN. Os trabalhos foram presididos pelo pastor Cícero Canuto de Lima. Por falta de registros, pouco se sabe do que foi tratado naquela Assembléia. No entanto, sabe-se que naquela reunião ocorreu a fusão dos jornais 'Boa Semente' e 'Som Alegre', resultando daí o 'Mensageiro da Paz', que é o nosso atual órgão oficial."

Outros registros informam que essa Convenção definiu a ida de todos os missionários estrangeiros para o sul/sudeste, sendo confiada a próspera obra do norte/nordeste aos obreiros nacionais; e tratou sobre o ministério das mulheres na igreja. Coube, ainda, ao Pr. Gonzaga a proposta de vender os imóveis da Amaro Barreto (templo e casa pastoral, em taipa) e construir um novo templo, negócio esse aprovado pela igreja, que decidiu instalar-se na Rua Manoel Miranda, n.º 1425 (atual sede da IEADERN), cujo templo foi inaugurado em 24 de janeiro de 1937. Nesse mesmo ano, o Pr. Gonzaga mudou-se para a Cidade de Santos/SP, onde veio a falecer - vítima de um acidente automobilístico - em 3 de outubro de 1945.

O Pr. Clímaco Bueno Aza sucedeu ao Pr. Francisco Gonzaga e permaneceu no cargo até 1940, não havendo registros da obra desenvolvida pelo mesmo, no RN.

Em 1940, assumiu o irmão Eugênio Martins Pires, vindo de Recife/PE, ao qual deve-se a expansão da igreja, na Capital; criação do trabalho de Círculos de Oração, além de receber a 9ª Convenção Geral das AD no Brasil, de 22 a 27 de novembro de 1948, sob a presidência do missionário Samuel Nyström. O Pr. Pires permaneceu frente à AD no RN até 1959, quando foi recolhido à Glória Celeste. Uma comissão, composta por 6 presbíteros, assumiu a liderança da Igreja e convidou o Missionário Eurico Bergstén para a presidência interina, que trouxe uma nova visão pastoral e administrativa para Natal, organizando departamentos vitais para a Igreja. Foi ele quem convidou o então pastor da AD em Salvador/BA, João Batista, para assumir o pastorado da Igreja no RN.

 

3 - Assembléias de Deus no RN, na segunda metade do séc. XX

Em 10 de janeiro de 1960, teve início o mais longo governo da história da IEADERN, sob a liderança do Pr. João Batista da Silva (cognominado "Apóstolo do Nordeste", após pastorear em Ceará-Mirim/RN, 5 anos; João Pessoa/PB, 11 anos; Salvador/BA, 10 anos; e Natal, 33 anos e 4 meses).

Em sua gestão, Natal sediou a 21ª Convenção Geral das AD's no Brasil, chamada de "A Convenção da Paz", de 21 a 28 de janeiro de 1973, presidida pelo próprio Pr. Batista, tendo como Vice-presidente, o Pr. Túlio Barros Ferreira (RJ), e a participação de expressivos nomes nacionais da AD, a exemplo de José Pimentel de Carvalho, Firmino da Anunciação Gouveia, Emiliano Ferreira da Costa, José Amaro da Silva, Anselmo Silvestre e Paulo Leivas Macalão. Coube-lhe, ainda, a presidência da CGADB, no período interconvencional desse ano.

Teve participação decisiva na criação da Escola Teológica das Assembléias de Deus no Nordeste - ESTEADENE (posteriormente, ESTEADEB). Em 5 de junho de 1983, fundou o Centro Integrado de Assistência Social da AD - CIAD. Expandiu o número de congregações na Capital, de cerca de 6 para 57; levou a igreja além mares, enviando um primeiro missionário, Edson Alves da Silva, a Madagascar/África, seguido de outros para Equador, Guatemala, Guiana Francesa e Paraguai. Entretanto, a maior contribuição que o Pr. João Batista deu ao Estado foi a evangelização do Interior, em todos os 153 municípios do RN.. Após a morte de sua esposa, Maria Anita da Silva, o Pr. João Batista iniciou um lento e gradativo processo de recolhimento, que culminou com sua disposição em transferir o cargo. O último ato foi indicar o seu sucessor, Pr. João Gomes, líder do Oeste, com sede em Mossoró. Na noite do dia 23 de maio de 1993, o Pr. João Batista da Silva transferiu o pastorado e recolheu-se definitivamente ao lar, não mais opinando sobre os destinos da Igreja.

Na presidência da IEADERN, o Pr. João Gomes da Silva admitiu uma nova organização eclesiástica, organizando a igreja em áreas de supervisão e em setores que coordenavam as congregações em Natal; a informática e a integração virtual foram introduzidos na IEADERN. Entretanto, o marco do pastorado João Gomes foi a aquisição da Rádio Nordeste Ltda. (renomeada Rádio Nordeste Evangélica), cujo controle passou para a IEADERN, em 1º de agosto de 1995, beneficiando a evangelização e a integração das igrejas, no âmbito local e regional. Nesse período, a AD em Natal cresceu acima da média nacional. A Igreja Sede expandiu seu número de congregações em 17%, através da conclusão de obras e da construção de novos templos; e elevou seu número de membros em mais de 15%. No início de 1997, o número de congregações já havia dobrado em relação ao início do pastorado.

Na missão transcultural, novas frentes foram abertas, em Portugal e Venezuela; e foram mantidas as existentes em outros três países, como Equador, Guiana Francesa e Paraguai. A atualização e a capacitação de obreiros foi estimulada, através da oferta de cursos teológicos e seculares. Ações sociais e o crescimento do patrimônio da Igreja também foram marcas desse período.

Porém, na noite de 22 de agosto de 1998, findou-se a vida terrena do Pr. João Gomes da Silva, numa brutal colizão frontal do veículo que o conduzia à cidade de Goianinha/RN, com um caminhão que trafegava em sentido contrário. No acidente, faleceu ainda o seu motorista, Raimundo Nonato André da Silva. O sepultamento do corpo do Pr. João Gomes foi um dos mais concorridos de toda a história de Natal. Na sua morte, como em vida, ele conquistou fortes sentimentos de afeto e amor do Povo de Deus.

Interinamente, assumiu o 1º Vice Presidente, Pr. Edmar Rosa Gomes, que permaneceu no cargo por pouco mais de quatro meses. Como marco dessa interinidade, destaca-se o cumprimento das disposições estatutárias quanto ao rito de eleição do novo pastor da IEADERN (fato inédito na história da Igreja), cujo processo eletivo teve como candidatos quatro pastores, por ordem de inscrição: Josué Macário de Morais (Pendências), Francisco Raimundo da Silva (Macau), José Gilson de Oliveira (Natal) e Raimundo João de Santana (Parnamirim). A eleição deu-se em reunião da Convenção Estadual de Ministros da Igreja, na qual o Pr. Raimundo Santana recebeu, em escrutínio secreto, 124 (62%) dos 200 votos consignados. Em 27 de novembro de 1998, em Assembléia Geral Extraordinária de membros da Igreja, foi concluído o processo e o Pr. Raimundo Santana foi aclamado Pastor-Presidente da IEADERN.

Na noite de 03 de janeiro de 1999, aos 74 anos de idade, após 27 anos como pastor da AD em Parnamirim, o Pr. Raimundo João de Santana foi empossado como 11º Pastor da IEADERN (estatutariamente, Presidente da Igreja e da CEMADERN). Às vésperas do terceiro milênio, a Igreja tinha cerca de 18 mil membros e 7 mil congregados, na Capital; estimadamente, igual número, no Interior; 130 congregações, na Capital; Igrejas Filiadas em 160 municípios do Interior (com mais de 300 congregações). Não tardaram a aflorar insatisfações com o novo governo da IEADERN, tanto na Capital como no Interior.

Em 15 de abril de 2000, o Pr. Alvacir Nobre Praxedes, recém desligado dessa igreja, fundou em Natal a Assembléia de Deus Ortodoxa, vinculada a uma ordem Metodista Ortodoxa do Rio de Janeiro (igreja posteriormente absorvida pelo Ministério Internacional Emanuel/EUA).

Por ocasião da 18ª CEMADERN, realizada nos dias 21 a 25 de janeiro de 2002, o Pr. Santana sofreu sérios reveses, perdendo a eleição da Mesa Convencional para um grupo liderado pelo Pr. Francisco Raimundo da Silva, da AD/Macau. Nessa oportunidade, foi anunciado o desligamento do Ev. Lázaro Faria, que assumiu em Natal a liderança local da AD Canaã/CE.

No dia 02 de fevereiro de 2002, nascia a Assembléia de Deus - Ministério da Plenitude (ADEMP), liderada pelo Pr. José Gilson de Oliveira, a qual viria a ser registrada, em 20 de fevereiro de 2002. Estava legalmente aberta mais uma porta para a proclamação do Evangelho, em Natal.

Ainda em 2002, foram organizadas outras AD's no RN - capital e interior -, amparadas por ministérios sediados em outros Estados da Federação.